Filiado à Cut e à Condsef/Fenadsef

ARTIGOS

A longa marcha da recuperação econômica

19/02/2016





Por Diogo Costa

Do GGN

A recessão pela qual passamos é intensa mas não durará para sempre, evidentemente. Até agora temos os resultados consolidados dos 3 primeiros trimestres de 2015 e temos algumas projeções para o último trimestre do ano passado e para os trimestres do ano corrente. 

Trago a baila as projeções conservadoras do banco Itaú a respeito da recuperação econômica do Brasil (e também os resultados consolidados):

1) PIB brasileiro/trimestre sobre o trimestre anterior (variação trimestral dessazonalizada) 

1º trimestre de 2015: -0,8%
2º trimestre de 2015: -2,1%
3º trimestre de 2015: -1,7%

Os 3 primeiros trimestres de 2015 tem resultados consolidados. Agora seguem as projeções:

4º trimestre de 2015: -1,5%
1º trimestre de 2016: -1,1%
2º trimestre de 2016: -0,4%
3º trimestre de 2016: -0,3%
4º trimestre de 2016: -0,2%

1º trimestre de 2017: 0,1%
2º trimestre de 2017: 0,3%
3º trimestre de 2017: 0,4%
4º trimestre de 2017: 0,6%

Tem-se, portanto, que a economia começará a se recuperar e crescer a partir do início do ano que vem, segundo o Itaú. 

Ainda estamos em queda do PIB mas essa queda diminui cada vez mais. A maior queda ocorreu no 2º trimestre de 2015 (-2,1%) e de lá para cá as quedas tem diminuído de trimestre em trimestre. 

Como toda e qualquer projeção, essa do Itaú - e outras várias - está sujeita a mudanças de rota de acordo com as conjunturas nacional e internacional. 

Mas o que importa, penso eu, é que saibamos que a tendência é de abrandamento das quedas trimestrais do PIB, o que indica uma linha de recuperação econômica no médio prazo. 



« Voltar


Receba Nosso Informativo

X
Este website utiliza cookies

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência, otimizar as funcionalidades do site e obter estatísticas de visita. Saiba mais