Filiado à Cut e à Condsef/Fenadsef

Notícias

Até 69% de reajuste para Bolsonaro e ministros. Para os servidores, nada!

16/05/2022




Há exatamente um ano, neste mesmo mês de maio, o presidente Jair Bolsonaro e seus ministros passaram a receber salários com um aumento de até 69%. O aumento foi dado pelo próprio governo Bolsonaro por meio de uma portaria (veja aqui) editada em abril de 2021 e, em maio, a diferença salarial já havia sido implantada. A mudança permitiu que o presidente, o vice-presidente, Hamilton Mourão, ministros e assessores passassem a receber acima do teto constitucional de R$ 39,2 mil. Na prática, o teto total para essas pessoas passou a ser de R$ 78.586,64 por mês.

Antes da medida, Bolsonaro recebia R$ 30,9 mil pela função de presidente e mais R$ 10,7 mil em outros benefícios. Mas o seu salário final tinha um corte de R$ 2.300 para que o teto fosse obedecido. Com a norma aplicada no ano passado, a remuneração bruta do presidente passou de R$ 39,3 mil para R$ 41,6 mil. Já o general da reserva, Hamilton Mourão, passou a receber R$ 63,5 mil, diferença de 62%. Entre os ministros militares, o maior salto no salário foi o do então chefe da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos. A sua remuneração passou a ser de R$ 66,4 mil, em uma alta de 69%.

Mas além do aumento salarial, Jair Bolsonaro coleciona regalias de um milionário. Apenas entre os últimos dias 1º de abril e 5 de maio, a conta do seu cartão corporativo foi de R$ 4,2 milhões.

E os servidores?

Enquanto isso, a massa dos servidores federais está há mais de cinco anos sem nenhum tipo de reposição salarial e o governo se nega a negociar com seus representantes. Desde janeiro de 2022 que os trabalhadores iniciaram a sua campanha salarial e passaram a reivindicar uma recomposição salarial emergencial de 19,99%, percentual referente apenas às perdas inflacionárias do período de três anos de governo Bolsonaro. 

Integrantes da equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, receberam os representantes dos servidores em apenas dois momentos. Um deles para dizer que não teria reposição salarial e no outro para afirmar que não haveria negociação com os servidores. 

Um presidente perdido

Paralelamente a isso, o presidente Bolsonaro passou a dar diversas informações desencontradas para a imprensa. No fim do ano passado, foi divulgada a intenção de Bolsonaro somente garantir reajuste a categorias ligadas à segurança pública. 

Diante da pressão e protesto das demais categorias, o presidente recuou e disse que ninguém seria contemplado e que um possível reajuste para policiais poderia acontecer em 2023. Mas a Lei Complementar 173, imposta pelo próprio Bolsonaro, não permite que isso aconteça depois de um ano eleitoral. Se não houver avanço no orçamento 2022, os servidores só poderão voltar a ter reajuste a partir de 2024.

Depois, Bolsonaro voltou a dizer que o reajuste para categorias específicas - que só representam 3% dos federais - deveria acontecer e os demais servidores teriam que ter compreensão. 

Frente a novos protestos, o governo passou a anunciar que avaliava conceder um "bônus" de R$ 400 nos tickets alimentação, o que beneficiaria apenas os servidores ativos da União. O que, revela um grande desrespeito aos milhares de aposentados e pensionistas e, mais uma vez, foi repelido. Em seguida, o presidente Bolsonaro passou a ventilar a possibilidade de conceder uma reposição aos servidores federais de apenas 5%. 

"É mais um flagrante desrespeito com a categoria. Como eles se dão um reajuste de até 69%, há um ano atrás, e agora, depois de mais de cinco anos, querem nos impor uma reposição de apenas 5%? Não podemos aceitar isso", comentou o coordenador-geral do Sindsep-PE, José Carlos de Oliveira.  
 

« Voltar


Receba Nosso Informativo

X
Este website utiliza cookies

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência, otimizar as funcionalidades do site e obter estatísticas de visita. Saiba mais