SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

Notícias

Bolsonaro e Maia vetam reajuste de servidores e preparam novos ataques

24/08/2020




A dobradinha entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), acaba de render mais um fruto para o governo. Além de não dar prosseguimento aos diversos processos de impeachment que existem na Câmara contra Bolsonaro, Maia foi uma das lideranças que articulou a aprovação do veto presidencial que congelou os salários dos servidores públicos até dezembro de 2021. 

Foram 316 votos favoráveis ao veto, contra 165 contrários e duas abstenções. O resultado prejudicou os trabalhadores e trabalhadoras que estão na linha do combate ao novo coronavírus. É que o projeto inicial proposto pelo governo, que congelava o salário de todos os servidores, foi modificado no Congresso e o reajuste passou a ser garantido para os trabalhadores da saúde, segurança pública, servidores de carreiras periciais, profissionais de limpeza urbana e de serviços funerários e professores. Mas a maldade de Bolsonaro fez com que ele vetasse essa mudança e se articulasse com Maia para manter o veto. 

Rodrigo Maia revelou em entrevista ao Expresso CNN, da CNN Brasil, que foi pego de surpresa com o resultado do Senado (que derrubou o veto) e se articulou junto ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para adiar a votação a fim de conseguir garantir maioria na Câmara para a manutenção do congelamento.

É de uma insensibilidade enorme. Primeiro que os servidores públicos, como um todo, estão sem reajuste há anos e agora poderão ficar por mais de um ano sem recomposição salarial. Segundo que estas pessoas que estão trabalhando na linha de frente do combate a pandemia estão dando suas vidas para salvar brasileiros e brasileiras. 

Agora, a estratégia a ser adotada pelos representantes dos trabalhadores será a de denunciar os deputados que votaram a favor do veto. (Veja quadro acima com os pernambucanos). 

Ataques não cessam

E os ataques aos servidores públicos não cessam por aí. Maia já falou, por diversas vezes, que e reforma Administrativa deve ser pautada após a fase grave da pandemia. Também está em gestação um substitutivo à proposta de emenda à Constituição (PEC) 186/2019, do Pacto Federativo, que já está tramitando no Senado. O substitutivo ganhou o apelido de “Super PEC”. 

A ideia da equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, é a de “furar o piso”, termo utilizado para reduzir as despesas do Orçamento, liberando espaço no teto. Ou seja, dinheiro para outras finalidades. E a principal despesa que o governo quer reduzir é a folha de pagamento do funcionalismo público. A proposta é reduzir em 25% a jornada e o salário dos servidores, além de acabar com a estabilidade dos novos servidores, proibir novos concursos e vedar reajustes e promoções, salvo exceções.

A votação a favor do governo aconteceu depois que Paulo Guedes fez mais uma chantagem com os deputados. É que a suspensão de reajustes do funcionalismo até 2021 foi exigida pelo governo em troca do socorro financeiro de R$ 125 bilhões aos estados e municípios em razão da pandemia de covid-19. Desse total, R$ 60 bilhões são em dinheiro novo e o restante na forma de adiamento de dívidas com a União.

Eleições

Por isso a necessidade dos servidores federais se unirem em torno de seus sindicatos e participarem da mobilização pelo #ForaBolsonaro. Importante destacar que o Sindsep-PE terá eleições nos próximos dias 21, 22 e 23 de setembro. Será a nova diretoria, eleita pela maioria dos servidores federais pernambucanos, que irá conduzir a luta  sindical dos servidores federais de Pernambuco pelos próximos quatro anos. 

Importante que todos participem dessas eleições e mantenham um contato maior com o Sindicato. Nesse momento, um dos piores períodos da história brasileira, só a união de todos fará com que os trabalhadores derrotem este governo. 
 

« Voltar

Receba Nosso Informativo

X